02/02/2022 às 11h15min - Atualizada em 02/02/2022 às 11h15min

​PF diz que houve crime no vazamento de informações em live de Bolsonaro, encerra caso e não indicia o presidente

Polícia justificou que o presidente tem foro privilegiado. Inquérito investigou se Bolsonaro cometeu crime ao divulgar, em live, dados sigilosos sobre investigação de ataque virtual ao TSE

Por Fernanda Vivas e Márcio Falcão, TV Globo
Divulgação
A Polícia Federal conclui que houve crime quando, em uma live, o presidente Jair Bolsonaro divulgou informações sigilosas de uma investigação. A PF, no entanto, não indiciou o presidente e justificou que ele tem foro privilegiado. A polícia ainda informou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que encerrou o caso.
Na comunicação ao tribunal, a PF também disse que o fato de Bolsonaro não ter ido ao depoimento sobre o inquérito na semana passada não impediu a análise do caso.

O depoimento foi uma ordem do ministro Alexandre de Moraes. Ao deixar de ir, Bolsonaro disse que estava exercendo seu "direito de ausência" e que o tribunal ainda não definiu como deve ser tomado o depoimento de um presidente: se presencialmente ou por escrito.

A investigação analisa uma live do presidente nas redes sociais, em 2021. Na ocasião, Bolsonaro, que estava acompanhado do deputado Filipe Barros (PSL-PR), mencionou dados sigilosos de uma apuração da PF sobre ataques virtuais ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Os investigadores concluíram que houve crime de divulgação de segredo, mas não indiciaram o Bolsonaro e Barros.
“Decorrido o prazo estabelecido, não houve atendimento à ordem judicial mencionada, inviabilizando-se a realização do ato e a consequente obtenção da perspectiva do sr. Jair Messias Bolsonaro a respeito dos fatos. Essa situação, entretanto, não teve o condão de impedir a correta compreensão e o esclarecimento do evento“, escreveu a PF.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »