28/01/2020 às 12h08min - Atualizada em 28/01/2020 às 12h08min

Operação prende 10 integrantes de quadrilhas que fraudavam cartões de transporte

A ação aconteceu em Nova Iguaçu, Queimados, São Gonçalo e na capital fluminense, nos bairros Centro, Botafogo, Copacabana e Coelho Neto

Ofluminense

A Secretaria de Estado da Polícia Civil (SEPOL), deflagrou nesta segunda-feira (27), a Operação Héracles, que teve como objetivo o cumprimento de 13 mandados de prisão temporária e nove de busca e apreensão, pelos crimes de estelionato e formação de organização criminosa. Durante a ação, dez pessoas foram presas e apreendidos cartões do Riocard, aparelhos celulares usados para clonagem, computadores, pendrives, máquinas de cartão e outros eletrônicos. A ação aconteceu nos municípios de Nova Iguaçu, Queimados, São Gonçalo e na capital fluminense, nos bairros Centro, Botafogo, Copacabana e Coelho Neto.

 

De acordo com a investigação, os criminosos fazem parte de organizações especializadas na fraude aos cartões Riocard e Bilhete Único. Eles atuavam de duas formas: quebrando a chave de segurança dos cartões, por meio de aplicativos de celular e outros softwares, para posteriormente replicarem os créditos e venderem as passagens, de forma avulsa, por valor abaixo da tarifa tabelada ou fazendo o chamado bola-bola, que consiste na venda avulsa das passagens da integração, dentro do período da gratuidade.

 

Entre os presos, há seis pessoas de uma mesma família, todos envolvidos na fraude, sendo o pai o chefe da organização criminosa. Ele era auxiliado por sua filha, que atuava como gerente, auxiliando-o na coordenação das atividades. Além deles, também havia indivíduos responsáveis por realizar a quebra da chave de segurança e a clonagem das passagens e responsáveis pela distribuição dos cartões aos chamados cavalos (integrante da organização responsável pela comercialização, de modo avulso, das passagens dos cartões).

Os demais acusados pertencem a organizações criminosas distintas que exploram a mesma atividade ilegal. Ao longo da investigação, os agentes observaram que cada organização criminosa tem seu território de atuação e que, para explorar tal atividade ilícita, seria obrigada a pagar, semanalmente, subornos a traficantes locais. As investigações prosseguem em busca da identidade desses criminosos. 

O caso foi registrado na 12ª DP (Copacabana).

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »